Liquid error (sections/product-template.liquid line 1): Could not find asset snippets/preorder-now-collection-item.liquid

CASTELO DAS EMOÇÕES

  • R$ 140,00
    Preço unitário por 
Frete calculado no checkout.


Manuela Ramos C. Lins & Bruno Martini Bonaldo

Código: 0520
Editora: Idea Jogos

Tema

As emoções, Alegria, Nojo, Medo, Raiva e Tristeza, sempre viveram em harmonia no Castelo das Emoções. Mas em um ataque repentino, o Dragão da Solidão expulsou as emoções do castelo, isolando cada uma delas.
Agora, você deverá ajudar as emoções a recuperar o equilíbrio do castelo. Mas tenha cuidado, o caminho é perigoso cheio de situações imprevisíveis, e o dragão está espreita, esperando para a qualquer momento poder capturar uma emoção e trancá-la no calabouço.

                  

Conteúdo Terapêutico

Castelo das emoções é um jogo que cria oportunidades terapêuticos para trabalhar a consciência emocional da criança, a partir de inúmeras situações narradas durante o jogo. Na sua vez, a criança deverá retirar uma carta de situação do monte e pedir para o adulto ou profissional lê-la. Em seguida, irá refletir e indicar qual das 5 emoções (Alegria, Medo, Nojo, Raiva ou Tristeza) ela sente quando passa por aquela situação. Ao revelar a emoção, a criança deverá andar uma casa com a peça referente, se aproximando cada vez mais do castelo tomado pelo Dragão.
No decorrer do jogo, o acompanhamento de um adulto ou profissional de psicologia, permite o trabalho específico de compreensão emocional, e refere-se à conscientização dos processos emocionais ou crenças sobre como as emoções trabalham (Izard & Harris, 1995, citados por Lamb, 2009, citados por Franco & Santos, 2015). Neste sentido, a criança ouve a descrição de uma situação e reflete como se sente, remetendo as experiências semelhantes que já teve, ou a algum exemplo de sua convivência. Nos dois casos existe um processo de generalização das características da situação e da emoção apresentada, tanto em nível da experiência interna quanto externa. Por exemplo, quais as circunstâncias e como agem quando elas ficam com raiva, com medo, tristes, com nojo ou felizes? Aqui, o papel regulador do profissional é de aprofundar essas questões: como o ser humano sente em cada emoção por dentro; como se expressa por fora e que rótulo lhe dá. Tendo assim o objetivo de capacitar o paciente a se expressar sobre seus sentimentos e emoções. Esse processo desenvolve a autoconsciência, isso é, a capacidade de monitorar e refletir sobre os próprios sentimentos e comportamentos (Franco & Santos, 2015 p. 340)

                 
O contexto do jogo, construído da contradição entre o Dragão da Solidão e as 5 emoções, deve ser abordado no sentido de estimular a comunicação emocional com os familiares e pessoas da convivência do paciente. A dificuldade de compreender, regular e expressar emoções, pode gerar o isolamento, a sensação de estar sozinho no mundo, não ser compreendido por sua família e, em decorrência disso, grande confusão interna. Assim, estimular o pedido de ajuda e acolhimento da família para do paciente, conforme as situações permitam, impulsiona o diálogo dentro e fora da clínica. Neste sentido, a participação da família no jogo facilita e aprofunda a autorregulação emocional em casa.
Em síntese, o jogo Castelo das emoções é uma ferramenta lúdica fundamental para todo psicólogo infantil, podendo ter seu material utilizado a partir dos 3 anos de idade, embora seja recomendado para ser jogado a partir de 6. Como uma ferramenta divertida e com um material visual de altíssima qualidade, o jogo garante o interesse e a curiosidade da criança em todo seu uso.

E aí... vai jogar ou ta com medo do dragão?

      

Idade: 6 a 12 anos.

Número de jogadores: 2 a 5.

Componentes:
• 1 tabuleiro
• 5 plataformas
• 1 castelo
• 5 personagens
• 1 dragão
• 6 suportes para fixar os personagens
• 90 cartas-emoção
• 15 cartas-dragão
• 10 cartas-escudo

Referências:

FRANCO, M. G. & SANTOS, N. N (2015). Desenvolvimento da Compreensão Emocional. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Brasília, julho a setembro de 2015, Vol. 31 n. 3, pp. 339-348.